Frutas do Cerrado Brasileiro - É importante? Então está aqui!
Tudo sobre a Cidade de Goiás está aqui! - Anunciar aquí não paga!

DESTAQUES

Hoteis e Pousadas

História da Cidade de Goiás

Monumentos Históricos

Museus

Atrativos

Comercios e Serviços

Igrejas Históricas

Dicas

Informações

Agenda 2009

Restaurantes

Pizzarias

Bares

Camping

Clubes

Lan Houses

Prefeitura

Câmara Municipal

Telefones Úteis

Balneários

Artistas Plásticos

Mapa da Cidade

Como Chegar

Principais Rios

DIVERSOS

Placas

Melhores Faculdades

Cidadania

Mototaxis

Parque da Serra Dourada

Ponto de Táxis

CERRADO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frutas do Cerrado Brasileiro

Outros Links

Eco Turismo na Serra Dourada

Pricipal ...Clima e Relevo .. Código Florestal .. Conservação .. Fauna e Flora .. Legislação ....Frutas ....Tipos de Cerrado.... Leis de Crimes Ambientais .. Vegetação

Projeto da Unicamp e da Universidade Católica de Goiás
analisa espécies consumidas pela população local

Pesquisadores mapeiam propriedades funcionais de frutas nativas do cerrado

. .

Da esquerda para a direita: pequi, araticum e cagaita

FRUTOS DO CERRADO:
ALIADOS DA SAÚDE

Pesquisa indica que o pequi e o araticum têm propriedades antioxidantes, que ajudam contra doenças degenerativas


No Brasil, o termo biodiversidade normalmente é associado à Amazônia, região que detém uma das mais vastas coleções de espécies animais e vegetais do mundo. Ocorre, porém, que o país conta com outros ecossistemas importantes, como é o caso do Cerrado, cujos recursos naturais também são diversificados, mas pouco conhecidos. Graças a um projeto que reúne pesquisadores da Unicamp e da Universidade Católica de Goiás (UCG), a falta de informações acerca deste último bioma começa a ser superada. Os especialistas das duas instituições estão investigando as propriedades das frutas típicas da savana brasileira, sobretudo em relação às suas características funcionais.

Os resultados dos estudos, que estão em fase intermediária, são animadores. Segundo a coordenadora dos trabalhos, Gláucia Pastore, professora da Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA), já foi possível constatar que o pequi e o araticum, por exemplo, possuem fatores antioxidantes, que podem concorrer para preservar a saúde da população contra doenças degenerativas.

Resultados animadores
Além da docente da FEA, participam do projeto as pós-graduandas Luciana Malta, Roberta Roessler e Luciana Carrasco. De acordo com Gláucia Pastore, as pesquisas envolvem cinco frutas inicialmente, que estão sendo fornecidas e tendo as propriedades físico-químicas analisadas pela UCG. Junto com pequi e o araticum, também estão sendo estudas a cagaita, a banha de galinha e a lobeira. Praticamente desconhecidas do grande público, essas espécies são consumidas por alguns segmentos da população local, que conferem propriedades especiais a elas, como a de combater determinados males. “A partir desse conhecimento popular é que decidimos investigar se essas frutas possuem de fato características funcionais”, explica a professora Gláucia Pastore.

Conforme Luciana Malta, das cinco frutas tomadas para análise, apenas o pequi tem valor comercial e já foi objeto de alguns poucos estudos científicos. As demais têm raríssimas referências na literatura. “De modo geral, essas espécies são conhecidas pelas pessoas mais velhas, que vivem ou viverem no campo. As novas gerações, que moram nas cidades, normalmente as ignoram”, afirma a pesquisadora. O primeiro passo dos cientistas foi analisar as substâncias presentes nas cascas, polpas e sementes das frutas, para verificar se elas possuíam propriedades antioxidantes. As cinco espécies, segundo a pós-graduanda, apresentaram os fatores procurados, em maior ou menor grau.

No pequi e araticum, cujas pesquisas estão mais adiantadas, a casca e a semente foram as que apresentaram maior concentração de substâncias com propriedades antioxidantes. O curioso é que, ao consumir o pequi, as pessoas descartam justamente as partes mais nobres do ponto de vista funcional. Ao comparar os valores encontrados nas amostras com os citados na literatura, os pesquisadores determinaram a quantidade média dos fatores benéficos para a saúde. Em seguida, eles analisaram a atividade antioxidante dessas substâncias in vitro e, posteriormente, em fígado de ratos. O próximo passo será alimentar animais de laboratório com um extrato retirado das frutas, para verificar a atividade antioxidante in vivo.

“Ainda temos que percorrer um longo caminho antes de chegarmos aos ensaios com seres humanos. Mas os resultados que estamos obtendo já nos dão um bom indicativo de que essas substâncias podem vir a ser importantes na preservação da saúde da população”, adianta a professora Gláucia Pastore. De acordo com ela, esses fatores poderão ser utilizados tanto pela indústria alimentícia, no enriquecimento de variados produtos, quanto pelos segmentos farmacêutico e cosmético. Caso isso venha a acontecer, lembra a docente da FEA, essas frutas poderão ser cultivadas por pequenos e médios agricultores, o que aumentará os indicadores de emprego e renda da região. Além disso, a exploração racional de espécies nativas evitará que o cerrado continue sendo devastado para dar lugar a megalavouras de soja ou a imensas pastagens para o gado.

“Nosso objetivo é dotar o país de tecnologias que proporcionem a exploração sustentável dos nossos recursos naturais. Atualmente, as multinacionais mantêm no mercado uma infinidade de produtos alimentícios, cuja formulação conta com substâncias dotadas de propriedades funcionais. Nas gôndolas dos supermercados é possível encontrar desde produtos lácteos que ajudam a combater o estresse até sucos que auxiliam da redução do diabetes. O trágico é que vários deles são produzidos a partir de matérias-primas que são encontradas de forma abundante nos ecossistemas brasileiros”, adverte a professora Gláucia Pastore.

As pesquisas desenvolvidas em conjunto pela Unicamp e Universidade Católica de Goiás, que contam com o apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), devem ser estendidas brevemente para outras frutas do cerrado. Em seguida, adianta a professora Gláucia Pastore, a intenção é fazer o mesmo estudo com espécies de diferentes biomas, como a caatinga nordestina. “Aos poucos, queremos descobrir as várias possibilidades proporcionadas pelos nossos recursos naturais”, conclui a docente da FEA.

Pouco resta da savana mais rica do mundo
A área nuclear do cerrado está distribuída principalmente pelo Planalto Central Brasileiro, nos estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, parte de Minas Gerais, Bahia e Distrito Federal, abrangendo 196.776.853 hectares. Há outras áreas de cerrado, chamadas periféricas, que são transições com os biomas da Amazônia, Mata Atlântica e Caatinga. O cerrado típico é constituído por árvores relativamente baixas (até vinte metros), esparsas, disseminadas em meio a arbustos, subarbustos e uma vegetação baixa constituída, em geral, por gramíneas.

A típica vegetação do cerrado possui seus troncos tortuosos, de baixo porte, ramos retorcidos, cascas espessas e folhas grossas. Os estudos efetuados consideram que a vegetação nativa não apresenta essa característica pela falta de água, mas devido a outros fatores de solo, como o desequilíbrio no teor de micronutrientes, como o alumínio. De acordo com o dados do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o cerrado brasileiro é reconhecido como a savana mais rica do mundo em biodiversidade, com a presença de diversos ecossistemas. A flora conta com cerca de 10 mil espécies, sendo 4,4 mil endêmicas. A fauna apresenta 837 espécies de aves, 67 gêneros de mamíferos, 150 espécies de anfíbios, 120 espécies de répteis, 1 mil espécies de borboletas e 500 espécies de abelhas e vespas.

Até a década de 1950, os cerrados mantiveram-se quase inalterados. A partir da década de 1960, com a interiorização da Capital e a abertura de uma nova rede rodoviária, largos ecossistemas deram lugar à pecuária e à agricultura extensiva, como soja, arroz e trigo. Tais mudanças se apoiaram, sobretudo, na implantação de novas infra-estruturas viárias e energéticas, bem como na descoberta de outras vocações dos solos regionais, permitindo novas atividades agrárias rentáveis, em detrimento de uma biodiversidade até então pouco alterada. Durante as décadas de 1970 e 1980 houve um rápido deslocamento da fronteira agrícola, com base em desmatamentos, queimadas, uso de fertilizantes químicos e agrotóxicos, que resultou na modificação de 67% de suas áreas. Atualmente, calcula-se que apenas 20% de área original do cerrado permanece preservada.

Fontes: www.portalbrasil / www.unicamp.br

DESTAQUES

Vídeos

Downloads

Cartões Postais

Charges

Ouvir Rádio Cidade

Universidades

Artistas e Fofocas 

Esportes 

Utilidades

Igrejas Evangélicas em Goiás

Pousada em Goiás Velho

Atrativos Naturais

Monumentos Históricos

Museus

Hotel Fazenda em Goiás

História

Carnaval - Programação

Igrejas Históricas

Canal Kids

Camping

Parceiros

Vilaboadegoias

DJS Locais

Músicas

Relacionamento

Fotos

Jogos

Piadas

Slides

Trotes Telefônicos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pesquisa Escolar: Geografia * História

Aconteceu na sexta feira,dia 3, uma reunião com o Conselho Consultivo do Parque Estadual Serra Dourada, para apresentação do Termo de Referência do Plano de Manejo do parque e da APA. Esta reunião teve como objetivo apresentar à comunidade os Termos de Referências para execução do parque. Entre os assuntos que foram abordados estão também, a medição . . . leia mais

Copyright © 2007- Image Factory , All Rights Reserved - Envie suas sugestões para goiasagito@hotmail.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OUTRAS PÁGINAS EM BREVE:

Frutas do Cerrado Goiano - Tipos de Frutas do Cerrado - Frutas saudáveis do Pequí, Centro Oeste - mangaba, Corriola, Cagaita, Araça, Cajú, Cajuzinho, Gravola, Baru, Frutas do Cerrado - Frutas saudáveis do Cerrado - Pequí


 

Usuários online