Biografia de Cora Coralina - É importante? Então está aqui!
Goiasagito.com - Site da Cidade de Goiás

Cidade de Goiás

Hotel Fazenda em Goiás

Hoteis e Pousadas

História da Cidade de Goiás

Monumentos Históricos

Museus

Atrativos

Restaurantes

Pizzarias

Bares

Comercios e Serviços

Prefeitura

Cora Coralina

Cidade de Goiás

Igrejas Históricas

Dicas

Informações

Agenda 2010

Camping

Clubes

Lan Houses

Câmara Municipal

Telefones Úteis

Balneário Santo Antônio

Artistas Plásticos

Mapa da Cidade

Mapa de Como Chegar

Eco Turismo

Fogaréu

Semana Santa 2009

FICA - Festival de Cinema

Fotos da Cidade de Goiás Velho

Artesanatos

Principais Rios

DESTAQUES

Placas

Melhores Faculdades

Cidadania

Mototaxis

Parque da Serra Dourada

Ponto de Táxis

Escolas Municipais

Escolas Estaduais

Faculdades

Hotel Fazenda

Pousada Ecológica

Rios e Cachoeiras

Artesãos

Hoteis Outras Cidades

Igrejas Evangélicas em Goiás

Parceiros

Vilaboadegoias

Vídeos

DJS Locais

Músicas

CERRADO

Carnaval 2009 - Programação

 

OUTROS LINKS

Biografia * Obras * Poemas * Frases

BIOGRAFIA DE CORA CORALINA

Filha de Francisco de Paula Lins dos Guimarães Peixoto, desembargador nomeado por D. Pedro II , e de Jacinta Luísa do Couto Brandão, Ana nasceu e foi criada às margens do rio Vermelho , em casa comprada por sua família no século XIX , quando seu avô ainda era uma criança. Estima-se que essa casa foi construída em meados do século XVIII , sendo uma das primeiras construções da antiga Vila Boa de Goiás.

Começou a escrever os seus primeiros textos aos quatorze anos de idade, publicando-os nos jornais locais apesar da pouca escolaridade, uma vez que cursou somente as primeiras quatro séries, com Mestra Silvina. Publicou nessa fase o seu primeiro conto, Tragédia na Roça .

Casou-se em 1910 com o advogado Cantídio Tolentino Bretas, com quem se mudou, no ano seguinte, para o interior de São Paulo . Nesse Estado passou quarenta e cinco anos, vivendo inicialmente no interior, nas cidades de Avaré e Jaboticabal , e depois na capital, onde chegou em 1924 . Ao chegar à capital, teve que permanecer algumas semanas trancada num hotel em frente à Estação da Luz , uma vez que os revolucionários de 1924 pararam a cidade. Em 1930 presenciou Getúlio Vargas chegando à esquina da rua Direita com a praça do Patriarca. Um de seus filhos participou da Revolução Constitucionalista de 1932 .

Com a morte do marido, Cora ficou ainda com três filhos para acabar de criar. Sem se deixar abater, vendeu livros em São Paulo, mudou-se para Penápolis , no interior do Estado, onde passou a vender lingüiça caseira e banha de porco que ela mesma preparava. Mudou-se em seguida para Andradina , até que, em 1956 , retornou para Goiás.

Ao completar cinqüenta anos de idade, a poetisa sofreu uma profunda transformação em seu interior, que definiria mais tarde como a perda do medo . Nesta fase, deixou de atender pelo nome de batismo e assumiu o pseudônimo que escolhera para si muitos anos atrás.

Durante esses anos, Cora não deixou de escrever, produzindo poemas ligados à sua história, à ligação com a cidade em que nascera e ao ambiente em que fora criada.

Cora Carolina morreu em Goiânia, em sua casa, que foi transformada em um museu e que foi deixada exatamente como Cora Carolina.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pesquisa Escolar: Geografia * História

Copyright © 2006 - Image Factory , All Rights Reserved - Envie suas sugestões para goiasagito@hotmail.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Outras Páginas em Breve:

 

 

 

 

 

 

Usuários online